quinta-feira, 12 de novembro de 2009

São Jose dos Pinhais, em Terza

Caríssimos amigos, gostaria de publicar esta minha poesia, que acabou sendo premiada no concuros de obras literárias do meu município...
como fiquei enormemente lisonjeado, gostaria de compartilhar minha alegria com todos vcs...


São José dos Pinhais, em Terza

Canto I

Óh querida, da sua terra, pois, sou filho.
Amo-te como uma mãe, a sua prole ama...
qual amor, amada, tem maior brilho?

O do poeta, por sua linha mais insana?
Ou do músico por sua mais linda melodia?
Digo-te que meu coração não te engana...

ainda que uma palavra, que minha boca pronuncia
à tua força e beleza não façam jus,
quero que seja em minha vida, minha guia.

Sabes que se pudesse, em meu ombro, tua cruz
eu levaria, mesmo que ficasse meu peito arfante,
pois em meu caminho, tu és minha luz.

Por saber tua história, faço-me teu amante,
minha querida e grande, meu arraial,
que dizem-te fundada por explorador viajante...

mas o cheiro do seu ar, já estava aqui afinal.
Alimentaste os lusos e os tupi-guarani...
uns cuidaram do teu belo, outros fizeram-lhe mal.

Se os insipientes cuidaram de ti,
os que muitos mares atravessaram
por fome do teu ouro chegaram aqui...


garimparam seus rios, e tuas terras profanaram..
e andou por seus caminhos, um tal Coutinho
e muitos outros. E teus pinheiros derrubaram...

fizeram do teu seio, de riquezas o seu ninho,
sei que até calaram o grito da tua dor
quando mataram uma gralha-azul no caminho.

E todos aqueles índios que tinham por ti amor?
Sei que seus sangues correm nos teus rios...
o que fizestes de mal, para ter tão cruel credor?

Como podem muitos, serem assim tão frios?
Pergunto-me o porquê de tantas fazendas...
acho que seus corações eram vazios,

e que fizeram da riqueza material suas prendas.
Tamanha empresa foi para tanta madeira carregar,
depois que abriram em ti, tamanhas fendas,

muita coisa levaram-te, adentro mar...
deram-te nomes, de vila a frequesia.
Usaram tua terra, tua água e teu ar...

e sei que chorar era o que fazia
de águas belas a capocu,
usaram da língua dos jé, eu diria.

Penso que não viam teu céu tão azul,
e hoje sob tua terra jazem,
da aurora do leste, de norte a sul.
Será que onde estão, mais mal fazem?
Hoje estão abaixo da riqueza que criaram
e da tua grandeza estão aquém.

Canto II

Eu não estava aqui quanto os primeiros te exploraram,
e sinto que muitos ainda não vêem o teu valor.
Mas também sei que muitos por ti lutaram.

Eu só espero sempre sentir seu calor...
e ainda hoje muitos ainda tentam,
ferir-te, e não vêem tua cor...

mas muitos, tua beleza, ostentam
do grande Leopoldo ao anônimo poeta
que para ti escrevem e cantam.

***
e eu sou um desses, maluco piegas,
que erra, mas tenta escrever de coração,
e que pede que deixe-me por muito tempo,
sentir o cheiro do teu ar, e a força do teu chão.


Hugo Roberto Bher

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Palavras Vazias


Quanto tempo faz que você se foi?
Eu já não sei mais contar o tempo...
Que distância nos separa minha amada?

Você foi minha guia...
Ensinou-me tudo o que sei...
Vejo sua imagem quando olho no espelho...
Nós éramos tão parecidos.

Não sei mais como lidar com sua ausência...
Não consigo olhar suas fotos,
pois percebo ainda mais como minha vida esta vazia

Sua lembrança me machuca, e não lembrar machuca ainda mais...
Já pensei em ir embora, em busca do teu abraço...
Mas nem para isso tive coragem...
Fui covarde, e não sou forte pra enfrentar sua falta.

Algumas palavras amigas aliviam um pouco minha dor...
Mas ainda sim eu sempre volto para casa...
E não encontro mais o seu sorriso me esperando,
o calor do teu abraço.

Cada sorriso que esboço, é seguido por mil semblantes de tristeza...
Amaldiçoado seja AQUELE,
Que permitiu que nosso pacto sagrado fosse rompido...

Sinto que não somos donos do nosso destino,
Não somos os capitães de nossas almas...
Isso aumenta ainda mais o meu pesar...

Eu estou em um deserto,
Mas faz tanto frio dentro de mim...
Não consigo me aquecer.

Se eu choro, ninguém me acalenta...
Se eu grito, ninguém ouve...
E eu não sei falar baixinho.

Meu riso perde-se nas marcas tristes do meu rosto
Estou vivendo, ainda tentando, encontrar novamente meus passos,
tropeçando no caminho...

E se ainda, em algum lugar está ligada a mim, sinta estas palavras,
pois elas compõem a única oração que consigo fazer nesse momento.



Minhas palavras nunca foram tão vazias...


Hugo Roberto Bher.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

do teu prazer...


Eu vou beber a sede da tua boca...
E com a minha, vou despindo o véu,
De todos os cantos que cobrem o teu prazer...

Sinto em meus dedos, o ouriçar da tua pele...
Minha língua molha a rigidez do teu seio...
Sinto o cheiro do teu desgaste prazeroso.

Eu provo o avesso do seu corpo,
Sinto o gosto do seu prazer em minha boca.
Ouço os gemidos que pedem mais e me viciam.

Sou carne que queima no calor que te faz mulher
Sou a dor que te causa prazer e torpor
Sou o dono do estremecer do seu corpo...
Que tira de ti, o molhado que fica em seu lençol....


Aldo J.J.C

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Aos Amigos Poetas...

Àqueles que vêem a beleza além da matéria, que percebem aquilo que não se vê,
segue uma singela homenagem...


***

entre a lucidez e a loucura...
encontramos um poeta...
entre a dor e força,
encontramos um poeta...
entre o realismo mundano e a sensibilidade,
encontramos um poeta...
entre a lógica e o imaginário,
encontramos um poeta...
entre o receio de sentir-se diferente,
e o prazer de ser excêntrico...
encontramos um poeta...
entre o empirismo e ciência,
encontramos um poeta...


C. Camargo

domingo, 4 de outubro de 2009

para a Má ...

de todas as pessoas nessa vida, que conheci
és tu, do seu jeito, umas das melhores
das horas boas às horas piores
ficou ao meu lado, e as vezes não percebi

se nosso caminhos não se cruzaram,
de homem mulher, nesse sentido,
fico feliz, pois você ainda abrigo,
aqui dentro, num cantinho de amigo...


Má...obrigado por ter sido umas das pessoas q me ajudaram e ainda ajudam a colocar a minha cabeça no lugar....

adoro vc!!

sábado, 3 de outubro de 2009

Ausência do Blog...

Caros Amigos...
Gostaria de pedir desculpas aos meus pouquíssimos mas muito queridos leitores assíduos das minhas linhas, pela ausência de postagem nas últimas semanas...
estive passando por situações pessoais complicadas que me impediram de escrever por algum tempo...
mas estou voltando, e espero que agora eu consiga continuar, a postar frequentemente...

e gostaria muito de poder contar com um feed back nos comentários...

"a alma do escritor se reflete nos olhos do leitor..."

um grande abraço...

Da Loucura e Pensamentos...


É à beira da loucura, que verás a lucidez...
É próximo da dor quase insuportável...
Que conhecerás sua força...
E quando se sentires mais perdido...
E não souber mais para onde seguir...
Reconhecer-se-ás no espelho,
E mais próximo estarás de encontrar sua essência...
E quanto mais escuro estiver o seu caminho...
Mais sentirás vontade de encontrar a luz...
E quanto mais próximo do fim estiveres...
Mais vontade terás, de voltar ao começo...
Pois certo és, que percorreste um longo caminho...
E analisarás seus erros, com maior conhecimento...
Ninguém poderá julgar-te, pois não sentem o que sentes...
Não vêem o mundo com seus olhos...
Não vêem o teu mundo com sua perspectiva

Mas, se tudo isso falo, eis que parece fácil...
Mas segues nessas linhas, cheias de vazio de uma mente excêntrica...
As únicas coisas, que não deveis fazer nesses momentos sombrios...

Não deixeis levar-te pela loucura...
Não sucumba à dor extrema...
Não vos desesperai por difícil ser, encontrar o caminho...
Não tenhais medo, de conhecer o que de fato és...
Não deixais de abrir os olhos para ver as luzes...
Não se sinta fraco para recomeçar...
Não te envergonha dos teus erros...

Se agora tudo parece mais difícil, é porque de fato és...
Mas algum dia lembra-te de ouvires alguém dizer, que fácil deveria ser teu caminho?


Hugo Roberto Bher.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Do peito que dói...

se tiveres medo de se apaixonar...
não faz-se difícil entender...
sentir o coração rasgar...
e sentir a alma arder...

mas lembre-se de como é doce...
o cheiro inebriante da pele...
melhor se para sempre fosse...
o gosto viciante do beijo...

porém fugaz, tudo se faz...
mas o que senti por ti, desejo...
não quer passar, meu corpo pede mais
uma silhueta na penumbra

uma mão tímida e quente...
depois o corpo quente que deslumbra..
doce ópio de loucura ardente
como uma chama que queima e atrai


C. Camargo

quinta-feira, 30 de julho de 2009

untitled

Se as palavras nao fizerem sentido...

olhe em meus olhos,

e encontre o abrigo...

busque neles, mesmo sem perceber,

tudo aquilo que precisa entender...





Hugo Roberto Bher

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Selo dia do amigo..



Selo oferecido pelo amigo Olavo do blog Traços de um Homem, excelente por sinal, recomendo a todos e ofereço o selo a todos os amigos que passarem por aqui...

abraços a todos e Feliz dia do Amigo

terça-feira, 14 de julho de 2009

Cego...

Quanto tempo sem entender
Enquanto andava perdido
A um mundo de ilusões fui submetido
Só eu parecia não perceber

Quando se impunham as decepções
Eu vivia apenas no meu mundo
Assim àquele poço, ia eu mais fundo
Viciando-me com minhas razões

Por muito, andei sim, cego
Nem percebi que assim afastava
tu que sempre, apenas me amava
nessas horas, facilmente me apego

às lembranças daquele tempo
que sentia sempre sua presença
dor e saudades, são minha sentença?
não quero perder-me, no tormento,

de não saber por onde caminhar...
sem sua força, sem sua mão...
as pedras mais pesadas serão
sem esperança, vou fraquejar...

Nesse raro momento de sanidade,
peço-te, que guie-me sempre
mesmo com minha alma assim doente
mesmo não merecendo, sem dignidade

deixe-me longe da minha própria maldade...
não desistas...como eu já quase desisti
salva-me de mim...

Hugo Roberto Bher

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Nostalgia...


eu olho para o céu,
as nuvens, em meus devaneios,
movimentam-se em várias formas...

você já olhou para o céu hoje?
já teve seu momento de sentir-se vivo?
já viu os seus desenhos nas nuvens?

respirando o ar salgado,
sentindo minha pele esquentar ao sol,
mil palavras se passam em minha cabeça...
pulando para fora de minha boca...

sozinho, sabe em quem estou pensando?
em pensamento estou indo pra você...

estou me sentindo restaurado...
e em pensamento, já estou com você...
consegues sentir-me?

tu sabes pra quem são minhas palavras
sinta como minha vida fica melhor com você...
só em saber que tu existes em algum lugar
mesmo que não esteja comigo agora...

a certeza de minha vida...
é saber que dar-te-ei um abraço novamente
te farei aquele carinho no cabelo...

eu só queria ficar horas conversando contigo...
sinto falta de cada segundo...

esteve comigo nos meus melhores momentos...
e nos piores também...
me conhece como ninguém...

melhor que me conheceres,
tu ajudastes a ser o que sou...
do meu melhor ao pior,

sou parte de você...

C. Camargo

segunda-feira, 6 de julho de 2009

♪ ♬ Depois de você ♪ ♬

♪ ♬
Eu, não quero mais esperar por você...
Eu, já não posso mais viver...
Sem ter, o teu, carinho...
♪ ♬
Traga de volta, tudo o que eu tinha...
Antes de você ir embora
Você, teve o melhor de mim...
♪ ♬
Sempre teve tudo, que eu podia oferecer...
agora sou eu...
Eu não tenho mais você...
♪ ♬
Estou seguindo o meu caminho...
Tropeçando nos meus passos...
Estou ensaiando a minha despedida...
♪ ♬
Só eu posso ouvir os gritos do meu silêncio...
Eles ficam presos na minha garganta...
Não emitem sons
♪ ♬
Traga de volta, o seu sorriso perfeito...
porque essa solidão, é veneno no meu peito...
Traga de volta, aquela minha vida...
♪ ♬
Eu não quero outra, me desculpe o que eu disse...
Agora eu só quero, viver pra você...
♪ ♬


Hugo Roberto Bher...
Música NBDS

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Selo...



Recebi este selo da minha querida amiga do blog Meus Diários, Minhas Bobagens, que recomendo a todos os amigos...abs

Regras:

1- Colocar o Prêmio no seu blog ou post!
2- Nomear no minimo 10 blogs que demonstram
Amizade e/ou Gratidão

Indico os seguintes amigos:

Fabricante de Sonhos
Faces de Mulher
Seco/Sarcástico/Simpático
A Minha Travessa do Ferreira
Devaneios de Uma Vida
Luz dos Olhos
De Tudo um Pouco
Cris Rubi
Coisas de Mulher
Escrevendo na Pele

terça-feira, 16 de junho de 2009

Oração de mais um ano...


Hoje completo mais um ano de vida...

Há algum tempo deixei de importar-me com esta data...
Por isso até causa-me estranheza certas emoções que sinto neste dia...
Uma nostalgia, e uma forte sensação de que realmente o tempo não pára...
Que é implacável e que sobre tudo impõe seus efeitos...

Olho no espelho e vejo que aos poucos vou mudando...fisicamente e principalmente emocional, psicológica e emocionalmente.

Percebo que minha ingenuidade e imaturidade, eventualmente que me eram deveras providenciais, vão sendo substituídas por calos e marcas profundas e muitas vezes extremamente doloridas.

Se não amadurecemos por vontade própria, a vida nos impele a tão situação.
Uma dor pode nos matar.
Se não mata, ficamos mais fortes.
Se ficamos mais fortes, também ficamos mais frios e entendemos outros aspectos da vida.

Tudo isso faz-me pensar, que não há caminho a ser seguido...
Já estamos no caminho...
Num pequeno trecho de nossa estrada eterna...

À qual fomos motivados a seguir, desde os primórdios e por desígnios os quais nossa consciência incompleta e material não pode compreender.

Não há caminhos a serem seguidos,
Apenas certas escolhas a serem feitas,
Certas decisões a serem tomadas, nessa nossa existência efêmera e fugaz,
Que podem marcar nossas almas de forma que não podemos entender com perfeita exatidão,
Mas que certamente nos arrebatarão em algum outro trecho de nosso caminho...

Por isso, peçamos a este, a quem muitos chamam de Deus, mas que eu prefiro chamar de inteligência suprema e causa de tudo...

Que fiquemos no bem...
Que possamos cultivar as virtudes...
Que possamos livrar-nos dos vícios...

Que saibamos reprimir nossas tristezas...
E que saibamos viver nossos momentos alegres...

Que tenhamos sempre as melhores pessoas em nossas vidas...
Que tenhamos conhecimento e sabedoria para mantê-las sempre por perto...

Que sejamos humildes para poder aprender com elas...
Que possamos aprender a elevar nossos pensamentos e entender alguns pontos da vida...
Que tenhamos discernimento claro e perfeito, sobre o certo e o errado...
E que tenhamos forças para nos manter firmes perante as intempéries...
Que possamos cultuar o conhecimento, o amor e a sabedoria, os bálsamos de nosso espírito.

Que possamos nos permitir viver as coisas simples desta vida terrena...
Que não passemos esta vida curta tentando acumular riquezas materiais que de nada nos serão válidas em nossa próxima etapa existencial, para nós ainda desconhecida, mas tão certa como a morte da matéria.

Que tenhamos coragem de rir para um problema, antes que ele nos consuma.
Que interessemos-nos pelos melhores livros...
E que possamos divertir-nos com as mais simples bobagens...

Que possamos apreciar a boa música...
As melhores pinturas, e que tentemos entender a alma dos poetas...

Que possamos ajudar nossos semelhantes...
Que possamos ajudar a educar uma criança...
Que possamos ajudar a matar a fome de um faminto...
Que sejamos complacentes para com os erros de outrem...
Que possamos parar tudo em momentos de desconcerto e observar tua obra nas coisas mais simples...
Como nas folhas de uma planta a balançar com a mais leve brisa, ao movimento do mesmo ar que anima nossas vidas...
Que possamos ouvir tua sinfonia perfeita no canto dos pássaros e no movimento das águas

***

Sejamos a paz e não o caos...
Sejamos o alivio e não o veneno nas vidas dos que nos cercam...
Sejamos a harmonia e não a destruição da sua natureza...
Sejamos a extensão de seus braços e não a espada que fere...
Sejamos saudades e não lembranças rancorosas quando daqui partirmos...
Sejamos a luz no fim do túnel e não a porta que se fecha
Sejamos virtuosos e não viciosos

Sejamos o bem, tanto quanto pudermos ser, pois filhos somos da sua vontade, e fagulhas somos da sua inteligência...

Sejamos sempre melhores a cada dia...

Sejamos sempre o melhor que pudermos ser, em cada momento, em cada escolha e em cada passo de nossa estrada...

Hugo Roberto Bher

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Ensaio sobre a Loucura, em Terza

Hoje sinto, nada mais me encanta
Nenhuma das vozes que posso ouvir,
dizem-me: "filho te levanta"

A alegria nas cores já não consigo sentir
As pessoas por vezes me ferem
Poucas coisas ainda não me deixam partir

Ainda espero que meus pensamentos de tudo me liberem
Tudo leva-me à beira do abismo
Se alguém eu machuquei, peço que reconsiderem,

pois sou fraco e em mim impera o ceticismo
Uma dor forte no peito
perante esse falso moralismo

O fim agora, mais facilmente aceito
A despeito de meu medo do desconhecido
quero ir em busca do que é perfeito

Aos meus amigos sou e vou agradecido
por sua paciência e amor,
seus paraísos serão merecidos

Não se deixem dominar pelo rancor
Eu ultrapassei a longínqua linha
da depressão e do pavor

Antes sempre, eis que uma solução vinha
mas não agora
A vida parece mais mesquinha

A minha vontade de ir embora
é tão grande nesse momento
Não sei como é lá fora

Perdi a noção do tempo
Acho que simplesmente parei de contar
Saudade é um terrível sentimento

Quase tudo faz-me chorar
E quando uma brisa me arrebata
e penso que irei melhorar

A dor volta e quase me mata
e outra vez, pular é minha vontade
Meu coração se dilata

Pra voltar penso que é tarde
Sei que não terei mais seu colo
Essa convicção, como fogo queima e arde

Na minha vida já fiz solo
Já toquei a harmonia
Hoje por um acorde, eu esmolo

Como uma alma sem alegria
pode ver uma luz na escuridão?
Uma noite pode ser assaz fria

O que daria pra sentir o calor de uma mão?
Toque-me com uma melodia
não me deixe cair na imensidão

Preencha esse vazio, minha guia
Mostra-me outra vez o caminho,
puxe-me num abraço pra perto daquele que tu sabes,
deu-me amor e me ensinou a vida
seu imenso e perfeito, coração...




Hugo Roberto Bher

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Você no meu caminho...


Alguém que não existia...
Não na minha realidade...
Apenas no meu mundo, do imaginário...
Talvez apenas em meus anseios...
Em minha vida de fantasia, era seu rosto...
Que eu sempre via...
Seu jeito, para mim, perfeito...

Nem tão perto que eu possa ver quando eu quero...
Nem tão longe que eu não possa ver quando eu quero...
O sonho, na vida real...
O ver, quando fecho os olhos...
Que sinto sem tocar...
Sentimento, carinho, vontade...

E distância...

Por um segundo posso sentir seu cheiro...
Peço pra uma música te buscar...
E me trazer de volta seus pensamentos...
Pois meus gritos não emitem sons...
Me pega e me leva com você...
Seu colo, meu acalento...
Teus olhos, o castanho...
Dentro deles, eis que a mim mesmo, eu vejo!

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Carta para minha mãe.


Mãe querida,
Há pouco tempo, foi levada para longe de mim.
Tu bem sabes, que considero-me um bom tratador de palavras,
Mas não consigo encontrar uma sequer, para descrever com a devida intensidade, a dor que senti e que ainda sinto todos os dias...

Quando viajou para sempre, levou consigo parte da minha vida também.

Mãe adorada,
Ensinou-me tudo...
Mas foi no seu amor que aprendi também a amar.

Foi nos seus olhos e no seu rosto,
Que sempre encontrei a paz.
No seu colo, a segurança,
E no seu abraço a força para viver todas as vicissitudes.

E é na sua falta, que estou aprendendo a saudade, dura, vazia.

Eu, fraco que sou, dizia-te que sentia-me triste, desanimado...sem forças para continuar, pois a vida às vezes é muito dura...
Em meus momentos difíceis, dizia-te, que pensava não haver nada nesse mundo em que eu me sentisse capaz...

Tu ouvias-me...
Tua apenas sorria...
Depois abraçava-me, e dizia que eu não podia pensar assim, pois seu herói, eu era.

Hoje sei, mãezinha,
Tu foste minha Heroína.
Sempre serás...

Quantas vezes tu salvaste-me de mim mesmo?

Perfeita mãe, com todas as imperfeições de mulher.

Não sentirei mais o cheiro do seu café pela casa, quando eu ainda estava na cama...
Nem minhas mãos em seu cabelo,
Nem seu abraço
Nem o cheiro de rosas de seu perfume favorito...

Isso dói ainda mais quando eu lembro.

Alguns dias são mais amenos,
Outros machucam com essa dor que conheci quando você se foi...
A dor do vazio, da falta, da saudade.

Antes de adormecer, peço a deus que deixe-me ver seu rosto ao menos em meus sonhos...
Que deixe-me falar contigo, te abraçar...

Sei que apenas partiu antes de mim, e espero um dia poder te encontrar...
Mas pergunto-me quanto tempo?
Quando tempo para um dia ver-te novamente?

O que me consola, é que viveu o tempo suficiente, para que eu possa sentir o seu amor em minha vida...
E em alguns momentos sei que está perto, e te vejo nos olhos do meu irmão, que sente a mesma falta que sinto, e também o mesmo amor.

Com amor eterno,

De seu filho!

Hugo Roberto Bher


***


Meus amigos, o que vou dizer pode parecer clichê...mas ainda sim creio que vale a pena ser dito...

Muitas vezes vemos a vida tão atribulada...
Coisas banais que prejudicam nossos relacionamentos...
E assim não percebemos que nossa passagem por esta terra e fugaz...logo as pessoas nos deixarão, ou nós podemos deixá-las...
Precisamos ficar mais tempo juntos, expressar nossos sentimentos...cuidar...sentir o calor humano...
Porque daqui nada levamos, senão o amor e o bem, puros e simples.

terça-feira, 5 de maio de 2009

O peregrino, o Sultão e o Grão de Areia


Sua vida parecia sem sentido.
Tentava buscar as respostas e não conseguia entender os desígnios que a vida lhe propusera.
Estudava as artes, a música, as ciências, religiões, mas sentia-se muito longe do entendimento que julgava necessário.

Decidiu que deveria correr o mundo em sua busca espiritual.
Deixou tudo para trás.

Pela primeira vez em sua vida, sentia que estava próximo, ou pelo menos no caminho certo. No caminho mais correto para saciar sua sede sagaz de conhecimento sobre as questões que trariam paz ao seu espírito.

Descobrir sobre a felicidade, e sua razão de ser, eram seus principais objetivos.

Na Espanha, cerca de dois anos após o início de suas viagens, conheceu um empresário em um cafeteria pela manhã.
Muito eloqüente, criou-se uma empatia entre os dois.
Eis que Caio dirige-lhe a pergunta:

- Meu caro amigo, se permite-me perguntar, és uma pessoa feliz?

- Veja humilde cavalheiro. Pra ser-lhe sincero, nunca parei para refletir sobre isso, porém, sua pergunta leva-me a analisar alguns aspectos de minha vida.
- Tenho uma bela esposa, uma boa companheira e amiga. Também uma maravilhosa mãe para meu casal de filhos.
- Tenho uma grande empresa, cujos negócios ocupam quase todo o meu tempo. De fato não tenho problemas financeiros, possuo tudo que possa proporcionar conforto para mim e para minha família.
- Meus filhos admiram-me e seguem meus passos, trabalham comigo.
- Gozo de uma saúde perfeita, e creio que não há mais nada que a vida possa me oferecer, assim, posso concluir que SIM. Eu sou uma pessoa feliz.

Nessa mesma noite, Caio não conseguiu dormir. O materialismo não podia ser a resposta que procurava. A vida seria parcial demais se assim fosse. Ademais conhecia pessoas que pareciam de fato muito mais felizes do que aquele homem com quem conversara. Precisava de alguns contrapontos.

Resolveu fazer algo que sempre sonhou: percorrer o famoso Caminho de Santiago.

Nesse lugar místico e maravilhoso, no meio de sua caminhada conheceu um monje, ex Bispo de uma Ordem Católica muito conservadora.

Logo pôs-se a fazer a mesma pergunta:

Meu jovem Senhor poderia responder-me se és feliz?

- Meu amigo, seu questionamento direto, não é tão simples de ser respondido, mas tentarei:
- Creio que eu nem deveria estar nesse mundo. Isso motivou minha busca. Sinto-me como uma alma livre presa a um mundo completamente material. Penso que nada aqui pode trazer-me felicidade plena.
- Deixei minha ordem e minha posição na igreja por discordar de alguns princípios básicos. Para mim todo esse mundo é uma falha, e só pude concluir que é a vida além daqui é onde encontrarei minhas respostas. Só não acabo eu mesmo com meu corpo material por não ter ainda plena certeza de meus questionamentos.

Deixou o homem seguir seu caminho sozinho, e ficou a pensar por dias e dias sem sair do lugar, em profunda meditação.

Os conceitos do monge pareciam ser verdade em parte, mas não podia conceber que a vida aqui e agora não tem nenhum propósito.
Tinha consigo a idéia fixa de que TUDO tem uma razão de ser, TUDO.

A despeito de suas desilusões e de seu cansaço físico e mental, continuou a caminhar, agora, um tanto sem rumo.

Vários meses depois, iniciou uma peregrinação pelo Deserto da Arábia.
Sozinho por semanas, sem conhecer o inóspito meio em que se encontrava, seu corpo desfaleceu, e foi encontrado por transeuntes e levado para um oásis no meio do nada.
Acordou e não fazia idéia de quanto tempo ficara desacordado.

Por vários meses trabalhou em uma aldeia dentro do oásis, exercendo várias funções e interagindo com várias pessoas.
Certa vez conheceu um religioso que cuidava pessoalmente do Sultão daquelas terras. Fez-se com este, uma amizade sincera.

Após muito tempo nesse local, Caio explicou sua busca para seu amigo Farah, dizendo que o que faria feliz nesse momento era poder conversar com o grande Sultão, e que este pudesse banhá-lo com um pouco de sua grande sabedoria.

E assim foi feito. Logo estaria diante de um dos homens mais poderosos do Deserto.

***

- Oh grande senhor dessas terras e desses homens, permita um humilde andarilho fazer-lhe uma simples pergunta...

O homem assentiu com um gesto.

- És feliz?

Como se a pergunta o pegasse de surpresa, começou seu discurso:

- homem, sou dono de tudo que seus olhos podem ver e de muito mais do que sua mente pode imaginar.
- Tenho ouro e jóias, em quantias que poderiam suprir alguns países durante muitos anos, que nem eu mesmo sem contar.
- Tenho as mais belas mulheres desse mundo para dar-me prazer.
- Vivo em perfeita harmonia com meus servos, com o Deserto e com os oásis que Alah concedeu-me.
- Tenho sangue dos mais nobres imperadores correndo em minhas veias.
- Todos os dias estudo minha religião com meus sacerdotes.

Então meu caro, acho que já respondi ao seu questionamento.

Siga em paz.

Agora nosso amigo encontrava-se muito mais perdido em sua vida do que quando saiu à procura de respostas.
Desiludido, programou sua viagem de volta para casa.
Farah providenciou-lhe um bom camelo e recursos para seu caminho de volta.

***


Depois de várias semanas vagando pelo deserto, deixou-se cair para admirar o crepúsculo que logo se daria.
Já não tinha esperanças de suprir sua mente intrépida e sedenta.
Deixou-se cair no chão, naquele fim de tarde perfeito.

Não percebeu que adormeceu, para ele era como se ainda estivesse sentado, apoiado em suas mãos, curvadas para trás.

- Olá Caio...é com grande felicidade que obtive a permissão de Deus para falar-lhe.

Estava louco – pensou – ou realmente estava ouvindo um grão de areia falar-lhe?

- Está sonhando nesse momento, mas estou realmente a falar contigo – disse a minúscula criatura como se ouvisse seus pensamentos.

Decidiu então pela recíproca na conversa.

- Prossiga, por favor – disse.

- Creio que seja você quem queira saber de algo não é mesmo?

- Mas como pode você poder dar-me as respostas que preciso?

- Vou ignorar esse pingo de prepotência em seu pensamento e disser assim mesmo o que tenho pra lhe dizer:

- Sim. Sou um mero grão de areia. Mas sim, sou a criatura mais perfeita e mais evoluída que pode encontrar nesse mundo.
- Sou parte integrante desse imenso deserto que perde-se perante seus olhos. Eu e meus irmãos, que números em suas ciências faltariam pra enumerar-nos. Mas sem mim, tudo isso jamais poderia ser completo. Todos os dias exerço minha função, apenas estando aqui, imóvel. Quente durante o dia, e gélido durante a noite.
Estou aqui para ser parte de um todo, assim como você e tudo o que mais há nesse mundo, simples assim. Sou matéria criada pela inteligência suprema de todo esse universo, e meu espírito perpetua na imensidão do espaço e do tempo. Tu estás cumprindo um estágio de sua evolução. Somos feitos da mesma energia cósmica que tudo rege, e que em tudo existe.
Tu não deve procurar a felicidade plena, um dia certamente a encontrará. Terá seu tempo assim como todos...mas o caminho é tão importante quanto a chegada...viva a felicidade em cada passo, aproveite os MOMENTOS felizes da sua existência...sinto que seu caminho parece curto, pois as respostas só existem para aqueles que tem dúvidas e isso você tem e sempre terá.
Um dia serás anjo...
Acorde agora, e siga em paz...

O homem acordou sorrindo, subiu em seu camelo, com todo respeito que conhecia, e seguiu pela noite fria do deserto.

Hugo Roberto Bher

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Pensamentos Dispersos...


Um vazio pode ser preenchido?
Mesmo um vazio tão grande?

Se fosse como um papel, poderia preenchê-lo com palavras...
Mas assim como as palavras deixam entrelinhas,
O tempo passa e não me completa totalmente.

É assim mesmo que deve ser?


Muitas vezes as coisas que faço para ficar bem, parecem subterfúgios, para fugir da constatação de que a felicidade plena, não pertence a este mundo.
Você irá procurá-la, assim como eu, mas, por favor, diga-me, se um dia encontrar.
O mesmo eu farei.
Os tempos de angústia parecem sempre mais duradouros...
As sensações de alegria e plenitude sempre mais fugazes.

É assim mesmo que deve ser?

Não há para onde fugir,
As dúvidas estão dentro de nós.
Nem sempre há forças para lutar...

Os amigos às vezes se afastam,
E a solidão se instaura, e às vezes se enraíza.
Os sonhos ficam cada vez mais distantes de nossa realidade...

A hipocrisia aparece.
As respostas desaparecem.
O vazio novamente cresce.

É assim mesmo?

Por que quanto mais eu conheço, mais dúvidas surgem?
É assim mesmo que deve ser?
E por que não me respondes?
Como faço para chegar mais perto de ti?

Seria tão mais fácil se soubesse os propósitos da minha existência,
Seria talvez mais fácil entender, o que de tão errado devo ter feito para estar aqui...
Será que tais propósitos existem, ou estamos aleatoriamente dispersos neste mundo?

Será que nossa própria inteligência e consciência são oriundas somente da evolução da própria matéria universal?

Somos filhos da inteligência e energia suprema, ou somente matéria evoluída ao acaso?

Até que eu entenda,

Amar-te-ei com todo meu ódio, e odiar-te-ei com todo o meu amor...
Pois estes sentimentos são reais, e eu posso distingui-los...


Hugo Roberto Bher.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Trajetória de um anjo...


Meus caros,
Contar-lhes-ei uma breve estória. Prometo que será breve.
Não sei se deveria, mas farei.

Meu nome é Mattheus.

Nasci em Portugal, há muito tempo. Não serei bem específico, pois estejam certos, detalhes não importam tanto nesta minha narração, e bem vos digo que não faz diferença o local onde nasci e cresci, pois todo este planeta é uma prisão. Uma esfera de vícios. Um grande círculo vicioso.

Quando pequeno, achei que houvesse algo errado comigo, pois de tudo eu conhecia um pouco.
Sabia das artes, das ciências e profundamente entendia a natureza humana, e isso era algo que eu gostaria de não saber.
Eu conhecia a matemática e a física, e com facilidade eu entendi as teorias dos grandes gênios que vieram para este mundo antes de mim. Conhecia muitas línguas, as palavras e seus significados.
Eu sabia das estrelas e da lua, das marés e do sol; dos desertos e dos oásis, e também dos sultões.
Não sei como poderia saber tanto, mas simplesmente sabia. E aceitava saber, porém a única coisa que eu não sabia, era onde poderia aplicar tanto conhecimento.
Quando fui jovem, ocupava meu tempo em um monastério, num lugarejo afastado da cidade onde nasci. Não porque era religioso, mas eu adorava aquela biblioteca.

Eu sabia de muitos “porquês” e muitos vinham até mim.

Próximo de completar 17 anos terrestres, tive uma revelação, e não foi difícil aceitar minha missão.
Foi-me dito que eu deveria tornar-me humano para conhecer o mundo e as pessoas, sua natureza, seus medos e todas suas angústias, e de certa forma avaliar as condições desta Terra, e na forma de um relator, deveria dizer à inteligência suprema, causa de tudo, as minhas conclusões.

Quando deixei meu corpo e retornei ao verdadeiro mundo do criador, após um breve período de recuperação, fui chamado à minha responsabilidade.

Eis o que disse:

Meu amado pai, que causa de tudo és...
Tornei-me humano e é com felicidade que deixo o mundo das criaturas para voltar a este plano espiritual...
Não sei se o que ouvirás é aquilo que esperavas...
Mas eu direi...

Eu via a dor,
A dor e a tristeza...
Eu vi os homens invejando uns aos outros...
Eu vi a angústia, o desrespeito e a desunião.

Eu vi seus filhos, sim, seus amados filhos, matando uns aos outros,
E matando também a nossa mãe natureza...
Eu os vi poluindo as águas que criastes,
Matando nossos irmãos, os animais.

Eu os vi envenenando o próprio ar que os mantém vivos, e me perguntei: como pode tamanha imbecilidade?
Eu vi barbáries cometidas por homens, que nem assim deveriam ser chamados, e sim de monstros...

Eu vi mães assassinando seus próprios filhos, a estes a quem deveriam cuidar e proteger.

Eu vi a fome e a miséria,
E pude contar as costelas saltadas aos olhos de várias crianças...
Eu vi o roubo e a ganância...
O egoísmo...a maldade
Vi os abusos dos reis, perante seus povos...
Os olhos esbugalhados de uma criança da África, e sua pele sobre seus ossos, gritando silenciosamente, implorando comida.

Eu vi algumas coisas boas, é claro, mas confesso, infelizmente, foram poucas.

Eu vi a tristeza de Ghandi, depois de ter sido baleado.
Eu vi homens que criavam armas de destruição em massa, ao invés de alimentar o seu povo.
Vi muito sangue na espada de Alexandre, o Grande...seria mesmo grande?

Eu vi a loucura nos olhos de Napoleão, quando derrotado em Waterloo...

Eu senti muitas vezes o pecado na minha própria carne, e muitas vezes eu mesmo sucumbi aos vícios de propriedades humanas.

Eu vi Ricardo Coração de Leão, lutando com Saladino em nome da Terra Santa...
Mas toda terra é santa, meu senhor, pois tu criastes, mas não é assim que os homens vêem.

Eu conheci o fascismo de Mussolini, e o nazismo de Adolf Hitler...
Conheci Dachau, e uma vez o próprio Führer olhou-me nos olhos por um momento.
Eu também vi um sorriso cínico na face da morte quando esta esperava para levar sua alma podre para o umbral...

Eu vi gênios sendo taxados como loucos, quando queriam apenas colaborar para a evolução da humanidade.

Eu vi mulheres sendo queimadas na fogueira, pela “Santa” Inquisição Católica
Ouvi loucuras de homens que matavam civis, dizendo-se seus filhos, meu amado pai, e ainda dizem que fazem isso em seu nome.

Eu vi um soldado de Israel venerando a Estrela de Davi em seu braço, orgulhoso, e 100 afegãos mortos bem à sua frente.


Oh Deus, eu vi crianças com armas nas mãos, e ouvi grupos falando de um futuro melhor...
Será que eles conhecem a realidade ou estão se enganando?

Os homens veneram a futilidade, e ignoram o conhecimento.

Bem aventurados sejam os poetas, que amenizam a dor dessa realidade e nos trazem um mundo perfeito, no imaginário...

Senhor, façais o que quiseres, mas por favor não mande-me de volta...
Guarde em seus braços, as melhores almas...cuide delas, com todo o amor que existe em ti...
Cuidai de minha Mãe...

Mais palavras não fazem jus à minha dor...

Hugo Roberto Bher

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Lágrimas...


Se existe coisa mais frágil do que esta vida, por favor, diga-me...
Oh esse a quem todos chamam de deus,
Acha-me digno de conhecer alguns de seus desígnios?

Sou mesmo, pois, seu filho?
Não faço-me aqui, assaz curioso...
Apenas diga-me...

Por que me trazes tamanha dor, e ainda cobra-me tamanho preço, levando minha alegria?
Por que leva as minhas cores, e me traz apenas o cinza?

Malditos sejam todos os seus ceifadores...

Um dia me ensinou a sentir o perfume das rosas, e hoje sinto apenas o vazio...
Um vazio imenso, que não me ensinastes a preencher...
Amargo é meu paladar...sempre amargo

Mas não tem problema não é mesmo?

Pois o vazio fica cheio de saudades...
Ah, não me deixo esquecer as lágrimas...elas também ajudam a completar o vazio.
Um rio de lágrimas, cuja nascente não conheço...sei apenas que elas teimam em cair dos meus olhos, e que fluirão por muito tempo.
Meu rosto ficará sempre molhado?

Levastes meus sonhos e me mostrou apenas uma dura e crua realidade.

Hoje sou dor, solidão e saudades...
Sou lágrimas..
Sou lembranças que o tempo nunca vai apagar..

De quem são essas mãos que agora apertam o meu peito, e que fazem meu coração em pedaços?
Não quero acreditar que são suas.

Tu colocas um peso enorme sobre meus ombros,
Vê as minhas pernas tremerem,
A sim, eu sei que vês, pois, tudo vê, não é mesmo?

E se ainda sim eu não caio, se me faço forte,
Sinto meus ombros pesarem novamente, ainda mais...
Queres me ver fraquejar?


Hugo Roberto Bher

terça-feira, 31 de março de 2009

Identidade...



Sou o que sou.
Sou o que aprendi, e tudo o que nada sei
Sou a consciência dos erros,
O medo de errar

O receio do corajoso, e a coragem do fracassado
Sou a emoção que confunde a razão
A lógica do empírico
A dúvida e a reposta

Sou poesia sou prosa
A palavra e o papel, e o significado nas entrelinhas
Sou a caneta do escritor, e a alma do leitor
O dramaturgo e o personagem
Sou a lágrima do palhaço

Sou o egoísmo, o vício...
Sou virtude

Sou uma vida, caminhando para a morte da matéria
Sou o tempo e o relógio
Sou o caminho, a caminhada e o peregrino
Sou a pedra no caminho

Sou o alívio depois da dor
Sou o sonho e a decepção
A espada que machuca, e o ombro para chorar

O som do silêncio
A beleza do preto e branco
Sou o contraste das cores

A complacência e a barbárie
A evolução e a tolice do Homem
Sou a fome e o jejum
A riqueza do Rei
Sou o camponês

A solidão de um acorde, e a harmonia de uma orquestra
Sou as mãos do grande Maestro
A outra face depois do tapa
Sou a esperança e a verdade
A mentira também
A fantasia, a crônica e o imaginário
E a mais dura realidade

Sou a boca, o desejo e o beijo
O carinho e a mão no cabelo
Sou corpo, sou alma
Sou tudo,
Sou a percepção do meu próprio mundo e mais nada.

domingo, 22 de março de 2009

Charles Darwin


Sempre fui um aficionado por biografias de grandes ícones da história da humanidade, e outros não tão grandes assim. E uma delas que sempre me despertou grande interesse é a de Charles Darwin.

Não só por sua trajetória, que por si só é muito interessante, mas principalmente por sua principal obra, que escreveu o nome do naturalista inglês nos pilares da ciência, A Origem das Espécies.

Para mim, que de cientista tenho apenas meu senso de curiosidade extremamente aguçado e um raciocínio relativamente lógico, o que mais me atrai na obra, é o contraponto que esta originou com a teoria criacionista do homem e do mundo, com base na obra Bíblia Sagrada, que é seguida à risca por todas as religiões cristãs.

Até hoje, sua teoria causa polemica, não no mundo da ciência, onde é respeitada e tida como uns dos alicerces para a Biologia, Medicina e Biotecnologia, mas sim perante a sociedade, que reluta em aceitar que o Homem é resultado de milhões de anos de evolução, e que os organismos estão sempre em estado de mutação.

Bem, Darwin nos explica sobre algumas “discrepâncias” que, se criados fôssemos para sermos e que somos exatamente nos dias de hoje, provavelmente não existiriam, tais como:

O porquê de soluçarmos

O Ser humano precisa abrir a glote (abertura localizada na laringe, que serve de passagem de ar), para poder deixar que o ar entre nos pulmões.
Os nervos que controlam a respiração já existam nos ancestrais comuns aos mamíferos, anfíbios e peixes. Os anfíbios que respiravam por brânquias, fechavam a glote para evitar que o ar entrasse nos pulmões e causasse afogamento. Quando esses nervos se irritam por algum motivo, o corpo lembra o passado anfíbio, puxando o ar e fechando a glote, ocasionando os soluços.

Por que roncamos?

A necessidade de termos desenvolvido a fala, pra coexistir no meio, fez com que desenvolvêssemos alguns músculos como os que movimentam a língua, a boca e os que controlam a rigidez da garganta.
Porém durante o sono, esses músculos relaxam, causando dificuldades na respiração.

Por que engasgamos?

Ainda devido à necessidade de nos comunicarmos, nossa laringe fica mais para baixo da garganta se compararmos com os chimpanzés que tem a laringe na parte superior da garganta, permitindo que estes possam comer e respirar sem risco de sufocarem, porém, desta forma a emissão de sons fica prejudicada.

Por que temos cóccix?

O cóccix localizado na base de nossa coluna indica que nossos ancestrais tinham cauda. Como outros animais pertencentes ao nosso grupo, sob a óptica de Darwin, como chimpanzés gorilas também não possuem cauda, é muito provável que o rabo tenha desaparecido muito cedo no ancestral comum ao homem e os grandes primatas.

Dentes do Siso

Com a evolução de nossa espécie, nosso crânio aumentou e nossa mandíbula diminuiu. Os dentes do siso são remanescentes da época em que o homem possuía a mandíbula maior.

Apendicite

No passado, o apêndice foi um órgão que auxiliava a digestão, indicando que tivemos algum ancestral herbívoro, já que o apêndice é bem maior em animais cuja alimentação consiste apenas de plantas. Hoje acredita-se que o apêndice não tenha nenhuma função para o Homem, e ainda pode facilmente gerar infecções.

Por que sentimos dores no parto?

O crânio do bebê humano é grande em relação ao corpo, para abrigar o cérebro avantajado, ao passo que o canal da bacia, local por onde passa o bebe na hora do parto, não pode aumentar na mesma proporção, porque a posição ereta do ser humano exige uma pélvis relativamente estreita. Assim o parto do bebe humano é demorado e doloroso.

Sentimos arrepios

Muitos mamíferos, em resposta ao medo, eriçam o pêlo para parecerem maiores, como um mecanismo de defesa. A seleção natural removeu os pêlos dos seres humanos, mas o mecanismo que os mantém eriçados continuou, por isso sentimos arrepios.

Essas e muitas outras questões levantadas na teoria evolucionista de Charles Darwin, nos leva ao contraponto de um dogma da igreja, que define o homem como imagem e semelhança de Deus, e os animais criados exatamente da forma como os conhecemos hoje.



Fonte: Revista Veja, especial sobre Charles Darwin – fevereiro de 2009.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Em Momentos de Crise...


Em épocas de crise, é importante que todos nós repensemos sobre nossas prioridades.

Em geral, o consumidor brasileiro não é um poupador nato. Isso é um fato.

Somos imediatistas no que se refere à obtenção de bens e serviços que possam estabelecer uma “falsa” sensação de conforto a curto e médio prazo.

Pesquisas apontam que os brasileiros que ocupam as classes mais altas da sociedade, são os que mais se preocupam em poupar para garantir um futuro para si e para suas famílias, ou até mesmo para manter uma situação segura ante crises e instabilidades econômicas.

Não tivemos uma educação formal orientada a criação de reservas financeiras, como acontece em outros países de primeiro mundo, como EUA, Suécia e Alemanha.
Com grande facilidade de acesso ao crédito, o brasileiro pode ser considerado um consumidor compulsivo.

Em raros casos encontramos pessoas que conseguem controlar a vontade de obter seus almejos rapidamente e poupam recursos para comprar uma maior quantidade de bens à vista.

Vemos sim, famílias que sacrificam até 90% de sua renda em financiamentos diversos, privando-se muitas vezes até das necessidades mais básicas como alimentação, vestimenta e planos de saúde, para adquirirem bens como automóveis e eletrodomésticos.

Segundo percepções de alguns ramos de atividade, mesmo em momentos de crise, os consumidores, principalmente os de mais baixa renda, não mudam seu comportamento de compra. Os consumidores de classe mais alta, são mais conscientes em relação à momentos de tribulações econômicas, tais como a que vivenciamos hoje, em nível mundial.

As classes mais baixas normalmente “percebem” o mercado financeiro, quando este chega a afetar diretamente sua renda e sua empregabilidade. Caso contrário, sempre há o “jeitinho brasileiro” de conseguir empurrar a situação, e evidentemente, endividar-se cada vez mais, para comprar o que muitas vezes não precisamos, e em muitos casos, não temos como pagar.

domingo, 15 de março de 2009

Outras Lembranças

Tire-me daqui
deste lugar escuro que você me deixou quando foi embora

volta para me buscar
só me leve com você

este jogo acabou,
eu não sou tão forte quanto eu pensava que era

e hoje eu lembro,
o quanto era fácil arrancar um sorriso do seu rosto
e que eu escolhia te fazer chorar

e agora me dói saber que não verei mais aquele sorriso

mas se de repente, lembrar de algo bom em mim

por favor guarde essa lembrança
e mesmo que a vida te traga tudo,
ah, mesmo assim não esqueça dos nossos momentos

não deixe de ouvir as nossas músicas
se quiser eu posso cantá-las

apenas tire-me daqui, e mesmo que isso ainda seja pedir muito

deixe-me poder esperar

preciso sentir novamente aquele perfume
o meu ópio
ninguém mais poderia usá-lo

e hoje está chovendo aqui
e eu tenho quem abraçar
mas esse alguém, não é você...

sexta-feira, 6 de março de 2009

Memórias

sinto em demasia
a dor da tua falta, que faz
e tal como o crepúsculo leva o dia

são as reminiscências que ao ver, sua foto me trás
se antes sorria
hoje encontro-me ríspido assaz

a minha tristeza,
teu riso desfazia
osculando-me, conhecia eu, a paz

seu colo,
quando eu o tinha,
nada via mais

como poderia?
uma foto à tal nostalgia me reportar
o que melhor seria?

jogá-la fora para não mais me amargurar?
a saudade como acabaria...
iria a loucura me levar

insano ficaria
será que ainda mais?
sempre soube que não esqueceria

mas agora a lembrança é demais
e seus defeitos,
seriam nesse momento

deveras perfeitos
por dizer assim, o melhor acalento.

quarta-feira, 4 de março de 2009

MOCAMBO – RAP CURITIBANO DE QUALIDADE E IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL




Já faz um tempo que venho esboçando um post sobre este incrível grupo, que pode até ser definido como rap, mas é na verdade uma mescla de vários estilos, personificando uma identidade musical incomparável.






Músicos de alta estirpe, conseguem juntar vários estilos musicais, como dancehall, ragga, reggae, rap, hip hop, bater tudo no liquidificador com pitadas de cultura, arte, e letras conscientes que contagiam até mesmo quem não gosta do estilo.

***

Os seus 12 anos na estrada da arte e da música renderam não menos do que muitas amizades no cenário nacional e internacional, parcerias e muitas influências musicais e culturais, moldando o seu estilo único, versátil e empolgante.
Ao longo de sua trajetória participou de várias coletâneas, como a La Vanguardia, com a música Sempre Roots, clássico do dancehall nacional. Facetas peculiares do grupo encontram-se no hit Eterna Gafieira, com o qual participou da coletânea Rap’s de Verão, em 2005., onde os artistas apresentam um trabalho passando pela bossa nova e mpb.

Em 2007 o grupo ganhou o prêmio GOLD ESPECIAL, no primeiro festival internacional da Canção Sul Americana – Prêmio Equinócio 2007, tendo como prêmio a produção e gravação de um Cd em Nova Iorque, pela gravadora Lobbo records, que tem como portfólio de artistas ícones como Shakira e Jenifer Lopes.
Uma grande vitória não apenas para o MCB, mas também para a cultura brasileira.

***

Após um período de criação em NY, o grupo volta com muito mais força e com energias renovadas, levando seu som ainda mais longe, representando a nossa música e nossas raízes.

Confira o novo clipe da Banda...




Difícil é classificar em poucas palavras o MCB, muito fácil é se deixar levar por sua musicalidade...


K-Nab
Coringa
Dêze
Vinte - Fratti
L-Jay


Mais sobre MOCAMBO
http://www.myspace.com/mocambo


Post por Hugo Roberto Bher

segunda-feira, 2 de março de 2009

Árvore


E aqui tem uma árvore...
Uma árvore com galhos secos, como aquelas que são cartões postais de outono...
Mas é a mais bela árvore, como sei jamais ter visto...
E não sinto frio, nem calor...nem nada, apenas plenitude diante do crepúsculo que tomava conta de um céu tão diferente do que já havia visto,
que faltam-me palavras para descrever.
Ao que chega próximo de mim, algo ou alguém, sem rosto, sem forma.
Um espectro flamejante de luzes e cores variadas.
Disse-me, sem mexer a boca, penso agora que nem boca tinha, que este lugar espera por mim, um dia, nem tão próximo, nem tão longe.
Confundiu-me quando percebi que aqui o tempo parecia não existir, onde o próximo e o longe me parecem tão relativos que nem ouso tentar entender.
É tudo tão estranho.
Mas de alguma forma eu quero ficar aqui.
Eis que de repente tudo muda, e o céu fica cinza. E os galhos da árvore seca, bela e perturbadoramente estranha balançam, embalados por um vento que eu não sentia, nem o espectro que falava-me, pois em nada alterava seus flamejos.
E assim ocorreu-me onde estou. E percebo que tudo muda à medida que penso, ou que deixo fluir minhas emoções. E aqui todas as questões da vida que conheço parecem ter respostas claras e objetivas.
Minha consciência reporta-me a situações que vivi, mostrando-me que em todo momento, eu sempre soube o que era certo fazer, e quase sempre, segui erroneamente. E sofri as conseqüências de minhas escolhas.
E agora me lembro de muito mais vidas que tive, e que antes não podia ver. Tudo passa como um filme na minha cabeça.
Sinto que não sou mais matéria. Sinto que também espectro sou.
Estou agora desprendido de todos os vícios que conheci, e aos que, fraco que sou me apeguei.
E nas intrínsecas coisas deste lugar, sinto felicidade, e penso agora conhecer tudo, mesmo sem conhecer nada. Mas reconheço as cores, e lembro como gosto do roxo. E agora roxo tudo ficou.
E neste momento começo a sentir faltas de pessoas, ao que meu guia, agora o vejo como tomando forma de um velho amigo, diz-me que todos virão ao meu encontro, no momento certo.
Tudo começa a sumir, e eu não quero que isso aconteça.
Como quem acordasse de um sonho, estou no meio do dia, da semana, do mês e do ano. Acordado, como já estava. Menos de segundos se passaram.
Sei que dormindo não me encontrava.
Lembro-me da árvore.
E agora confuso, mas nem tanto, percebo que estou cada vez mais louco...
Vivendo no mundo do imaginário.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Barack Obama e seu discurso eloqüente


O primeiro discurso oficial do presidente democrata Barack Hussein Obama ao congresso americano, que aconteceu na última terça-feira (24), agradou grande parte da população, que em momentos de ansiedade política, pode ver novamente na figura do Presidente o “candidato” que foi em sua campanha, um entusiasta com idéias concretas e inovadoras frente a esta situação de crise financeira mundial, trazida como um vírus ao mundo pela própria economia norte-americana, como conseqüência de uma conjuntura econômica que visava mais a obtenção de lucros em curto prazo, do que a construção de bases fortes com intervenções do governo, para alavancar a economia e estabelecer uma situação favorável a todos os americanos em longo prazo, conforme a visão de Obama, observada em seu pronunciamento.
Após um início turbulento, em um momento crítico para a economia, e herdando um déficit de mais de U$$ 1 trilhão do governo George W. Bush, o Presidente norte-americano fez-se novamente a esperança não só para os americanos, mas para todo o mundo, deleitando seus espectadores com promessas como conter a crise econômica e acabar com a guerra no Iraque.
Prometendo reduzir o déficit pela metade até o fim de seu mandato, Obama falou sobre uma série de medidas para redução de gastos em programas sociais desnecessários, bem como redução dos extraordinários gastos com guerras, aludindo aos últimos 8 anos de governo anterior novamente frisando o déficit deixado pelo mesmo.
Ademais, segundo analistas, o discurso do presidente foi mais direcionado para o publico do que para os legisladores, visto que em muitas críticas foi classificado como um discurso que não trouxe muitas especificações principalmente a respeito de reações e medidas efetivas contra a crise financeira.
O fato é que a opinião pública mostrou um grande crescimento dentre os apoiadores do governo democrata, conforme pesquisas realizadas no dia seguinte após o pronunciamento para o congresso norte-americano.


***


E fica aqui registrado, nossas esperanças nesse que realmente ainda acredito poder fazer algo inovador e coerente, à revelia de seu antecessor, como o presidente da maior economia do mundo.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Hoje ouvi de alguém uma frase tão clichê, que me chegou a causar náuseas. Seja porque hoje foi um dia em que encontrava-me introspectivo, pensando sobre questões da vida, seja porque a pessoa que “cuspiu” tal pensamento, ao meu ver conhece pouco da própria vida e menos ainda da vida de seus possíveis ouvintes.

“nenhum vento sopra a favor de quem não sabe para onde ir...”

Enfim, tal expressão projetou-me a outras, não obstante com o mesmo sentido:

“para quem não sabe aonde quer chegar, tanto faz o caminho a seguir...”
“quando não escolhe-se o caminho, alguém escolhe por você...”

Bem, poderia citar aqui várias, de vários pensadores ou de domínio popular ou até mesmo criadas por mim, mas no momento, falta-me “saco” e estômago.

O fato é que comecei a refletir sobre algumas questões...

Sou quem sou. Sou minha personalidade, formada por meu temperamento e caráter. Possuo peculiares atribuições físicas. Tenho afinidades e desafinidades naturais. Vivo o mundo conforme a percepção que tenho do mesmo, e que adquiro a cada minuto, cada segundo, ou qualquer outro fracionamento do tempo.
A vida posicionou-me dessa forma. Não pude escolher assim, ou tal como é a personalidade do caro leitor que agora lê meu humilde texto e conhece minhas intrínsecas idéias.
Se escolhi assim como sou, foi em algum momento, no tempo e espaço, ao qual minha consciência atual não se reporta.
Não pude ser nos meus tempos de escolha, tão popular quanto o garoto que jogava futebol. Nem como aquele que, após aprender tocar três acordes, animava um ou outro lual com sua viola, para um publico fiel de 6 ou 10 pessoas; e desculpem-me se um pouco de sarcasmo aparecer nas entrelinhas de minhas colocações.
Não pude ser o gênio da minha turma. Nem o mais lento da classe.
Não escolhi gostar de escrever...se me fossa dada opção, gostaria de cantar...

Queria ter sido correspondido, quando amei platonicamente a menina da sexta série, e ter evitado sérios problemas de auto-estima nesta época, e em vários anos após.
Poderia ter tido mais facilidade com exatas, e ter hoje um emprego melhor remunerado.
A pergunta que faço aqui é algo que gostaria que o sujeito que me levou a escrever este texto pensasse e me respondesse, com melhor embasamento do que quando saiu dizendo a frase supra mencionada.

Não seria mais correto usar o que já temos, e com isso tentar sobressair?

Penso que temos que conhecer a nós mesmos, e sei que isso é também um belo clichê, mas dou-me o luxo de usá-lo aqui, já que também uma dessas frases prontas incitou-me a escrever.
Temos que concentrar atenções nas nossas emoções, facilidades, dificuldades, gostos e vontades, e tentar trabalhar isso como se ferramentas tivéssemos, para construir uma vida melhor.
Penso que não se pode seguir qualquer caminho. E mesmo que minha opinião mude ao longo do tempo, penso que esta não seria a forma mais inteligente de galgar nossos almejos. É como se recebêssemos um pano riscado para bordar.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

regras...

Definitivamente não é fácil ser alguém...

é preciso estar inserido em uma comunidade...interagir em uma sociedade...ter amigos...ou apenas conhecidos...ter inimigos também...participar de algo...

comunicar-se...agradar a uns ... e desagradar outros...ser importante pra alguém e nem ser conhecido pela maioria...submeter-se ao sistema...ou tentar mudá-lo...ter família...

é preciso saber o que falar...o que dizer...com quem falar e quando fazer...é preciso ter contatos profissionais...conversar com muitas pessoas ... muitas delas que se desejaríamos que não existissem...

é preciso gostar de algo...ter hobbies...atividades lúdicas...atividades profissionais...é preciso ter contas! contas e mais compromissos a serem cumpridos...

temos que saber viver...e estamos vivendo sem termos tempo para aprender...mas não podemos parar... temos que escolher...sempre....sempre escolher...mas às vezes cansa...

temos que envelhecer ... e trabalhar ... e sermos muitas vezes hipócritas...ou...corremos o risco de vivermos sempre brigando...

temos que descobrir às vezes...que as pessoas...ah...que as pessoas também são hipócritas...que elas mentem..mentem muito...que são egoístas..

em algum momento precisamos ver que muitas pessoas pelas quais temos apreço...não sentem o mesmo por nós...

e a vida nos ensina...com a prática da própria vida...e não se pode voltar... nem podemos viver ontem com o conjunto de experiências que acumulados hoje...não isso não é possível....

mas ... estas são as regras..

e não podem ser burladas; não se pode ficar neutro, ou será, pela própria vida, submetido à elas..

estas são as regras que conhecemos...para vivermos nossas vidas...

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Abraskadabra


Caros amigos...

Estou inaugurando uma seção de posts sobre musica, lançamentos de bandas, discos, shows, novidades, notícias, trajetórias...enfim, quero trazer assuntos interessantes do cenário musical...


Para colaborar comigo nessa empreitada, convidei um grande amigo e músico PJ, que trouxe a banda curitibana Abraskadabra como a primeira dessa série de posts...




A banda, formada em 2003, tem como sendo seu estilo o Skacore, porém procura agregar uma mescla de influências musicais que consideram de qualidade

Seguida por um público fiel, e eu me incluo nele, ganhou o Festival de Rock Universitário de Curitiba, em 2007.


Abraskadabra já tocou com Less Than Jake, banda internacional de extrema importância para o skacore, e também uma de suas maiores influências musicais; abriu também o show das bandas Goldfinger e Reel Big Fish em Curitiba, no dia 31 de outubro, em Curitiba.


Atualmente, a banda Abraskadabra conta com a seguinte formação:

Eduardo (vocal e guitarra), Trosso (vocal e trombone), Buga (vocal e guitarra), Maka (bateria), Alme (baixo) e Lepca (trombone).


Abaixo, uma rápida entrevista feita por PJ com o Maka da banda Abraskadabra...


PJ NbDs- Maka, quais as bandas que influenciaram Abraskadabra?


Maka - nossa cara...muitas

less than jake, mad caddies, streetlight manifesto, rx bandits, nofx, reel big fish , goldfinger, sublime, long beach dub allstars, the toasters, the slakers, skatalites

gostamos de hc tbm que influencia a gente como pennywise, bad religion, lagwagon, millencolin, offspring

tem mais bandas...mas basicamente eh isso..

rancid tbm


PJ NbDs - Por quê os vocais são em inglês, busca pelo mercado Gringo?


Maka - cara..a gente tem essa expectativa de crescer e ir para um mercado gringo..mas tbm eh que a gente cresceu escutando ska em ingles...

eu acho que o ska fica melhor em inglês do que português...

e quando o du, o trosso e o buga vão fazer musica, ela aparece em ingles jah pra eles, eles ja montam os vocais em inglês, meio que instintivo(isso eh uma coisa que eles me falaram), a gente jah tentou fazer uma musica em portugues..mas nao deu mto certo


PJ NbDs - Recentemente Abraskadabra abriu o show do Reel Big Fish e Goldfinger ...foi emocionante eu estava presente...


Maka - o show do reel foi uma realizacao pra gente cara...nossa..a gente cresceu escutando e pirava no som dos caras..ai aparece a oportunidade da gente abrir pra eles!! foi um sonho realizado mesmo..que nem com o less than jake de 2007


PJ NbDs - Maka Obrigado pela atenção e desejo um futuro promissor para o Abraskadabra...


Maka - valeu PJ!

obrigadao pela forca ae!


Fica aqui registrado minhas recomendações a todos os amigos para que conheçam o som dessa banda que tenho ouvido muito ultimamente e que representa muito bem o skacore e que sem dúvida logo estará muito presente no cenário nacional e internacional...


Pra quem quiser saber mais sobre Abraskadabra:

Myspace
YouTube
Orkut

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

61 anos sem Mahatma Ghandi


Um grande Líder, um grande Espírito, um grande Pensador.

61 anos desde a morte de um dos maiores ícones da humanidade, terão se passado no dia 30 próximo (janeiro/2009)


Mohandas Karamchand Gandhi, ou como popularmente ficou conhecido, Mahatma ( A Grande Alma) Ghandi, foi assassinado a tiros aos 30 dias de janeiro de 1948, por motivos oriundos de suas intervenções de paz nos conflitos entre Hindus e Muçulmanos.

Um pouco de sua vida...


Ghandi baseava sua filosofia de vida em tradições Hindus, propagando principalmente os princípios da não violência e da busca constante pela verdade.
Foi responsável por vários feitos no âmbito social, político e espiritual, um Homem de caráter incorruptível que fundamentou grandes movimentos com objetivos de libertação da Índia da dominação opressora da Inglaterra, que já perdurava pro cerca de 300 anos.


O grande pacifista utilizava inteligentemente de todas as raízes da Tradição espiritual Hindu para fortalecer seu povo, a protestar e contra-atacar pacificamente a dominação britânica.


Uma passagem interessante em sua luta, foi a chamada Marcha para o Sal, um movimento que reuniu milhares de pessoas, para que o povo indiano, que vivia nas regiões banhadas pelo oceano, tivessem direito a produzir Sal, tal que esta atividade era proibida a estes indianos, e monopolizada pelos ingleses.


Um Pacifista, Um Grande Homem, abnegado, indicado cinco vezes ao prêmio Nobel da Paz, dedicado de corpo e alma às causas de seu povo e ao bem da humanidade, deve sempre ser lembrado e principalmente ter seu legado de ensinamentos praticados por todos os seres humanos.


“não existe caminho para a felicidade...a felicidade é o caminho”
Ghandi


”Albert Einstein disse certa vez sobre Mahatma Ghandi:
As gerações futuras terão dificuldades em acreditar que um homem como este realmente existiu e caminhou sobre a Terra...”




.......Meu Grande Ídolo e Herói

Hugo Roberto Bher

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

bad dream...

Essa noite eu não dormi bem...

pois tive um sonho ruim...

onde vc não sorria mais quando me encontrava...

onde eu precisava mentir, para que vc acreditasse em mim...

não podia dizer a verdade, nem ser verdadeiro...pq o que eu era...

não t fazia o mesmo bem...como antes...não era mais suficiente pra vc...

e eu não conseguia entender o pq...

mas meus olhos doíam, quando eu os apertava dormindo, sem poder acordar

daquele sonho ruim...

machucava não ver mais o seu rosto sereno e em paz por estar comigo...

e não ver o seu sorriso, mesmo quando falava tudo o que vc queria ouvir...

era horrível não ver seus olhos molhados quando eu demonstrava nas coisas mais simples o quanto gostava de vc...

e mais ainda,

o medo de perguntar o pq de tudo isso...

pois se t perdesse, talvez fosse melhor até mesmo nem mais acordar,

pois pelo menos poderia segurar sua mão mais um pouco

eu não quero mais dormir...!

não podia abrir os olhos...

e o que mais angustiava...

o que mais doía e machucava...

era o medo de tudo isso não ser sonho...

de acordar, e não ter vc pra ligar e falar coisas bobas...

e nem mesmo, pra poder contar...

sobre o meu sonho ruim.